sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Ausência argentina

Dilma Rousseff tomou posse no último dia primeiro e recebeu os cumprimentos de dezenas de chefes de Estado de todo o mundo. A maioria dos presidentes da América Latina esteve presente na cerimônia. José Mujica, Sebastián Piñera, Hugo Chávez (que abraçou Dilma logo após a nova presidenta receber os cumprimentos da norte-americana Hillary Clinton, numa inusitada coincidência), Fernando Lugo, entre outros.

No entanto, uma ausência foi muito sentida. Depois do Brasil ou, para alguns, junto com o Brasil, a Argentina é o principal país do continente latino. Além disso, foi o primeiro a ter uma mulher na presidência e, atualmente, continua sob o comando feminino de Cristina Kirchner. Apesar da posse de Dilma ser histórica para o Brasil e para o feminismo, se é que posso falar assim, a presidenta argentina apenas mandou representante para a cerimônia.

Porém, isso não indica algum tipo de afastamento entre os dois países, pois a primeira viagem internacional de Dilma Rousseff deve ser para o país vizinho. O chanceler argentino Héctor Timerman, que representou Cristina na posse, já iniciou conversas com o brasileiro Antonio Patriota para agendar a visita.

Brasil e Argentina são, sem dúvida, os líderes da América Latina e agora, ambos sob o comando feminino, não podem nem devem se afastar (e isso não deve acontecer). É bom lembrar que este ano Cristina poderá enfrentar as urnas (ela ainda não decidiu que vai concorrer à reeleição), enquanto Dilma terá que provar muita coisa no comando do Brasil.