quinta-feira, 7 de abril de 2011

Discussões oportunas ou oportunistas?

Ao maior estilo norte-americano, um jovem carioca entrou em uma escola aparentando ser uma pessoa normal. Depois de se apresentar e jogar uma conversa em alguns professores, sacou duas armas e disparou para todos os lados. Resultado: matou 11 crianças, deixou outras feridas e cometeu suicídio.

Foi só as redes de televisão começarem a noticiar o fato e ferramentas democráticas onde qualquer um escreve qualquer coisa que está pensando se transformaram em grandes fóruns de discussão. No Twitter, única dessas ferramentas que utilizo, todo mundo tinha opinião. Falaram da sanidade mental do assassino, das suas tendências religiosas, comentaram a cobertura dos jornalistas e até defenderam a instalação de detectores de metal nas escolas.

Até que surgiu a velha discussão sobre o desarmamento. Muita gente ainda ressentida pelo “Não” ter vencido o plebiscito no passado começou a emitir opiniões simplistas. A mais reproduzida foi “e se ele não tivesse acesso a essas armas?”.

Não existe argumento mais frágil, simplista e batido do que esse. Sugiro aos defensores desse ponto de vista que reflitam: se o porte e a comercialização de armas fossem proibidos no Brasil você realmente acredita que esse fato lamentável não teria ocorrido? Você acha que as armas que essa pessoa possuía eram legais? Você acha que ele tinha porte de armas?

Boa noite.