sexta-feira, 8 de abril de 2011

Separados pela política

A Justiça da Guatemala aprovou o divórcio entre o presidente Alvaro Colom e a primeira-dama Sandra Torres. Ao contrário do que qualquer um pode imaginar, o casal não brigou. Pelo contrário, estão tão apaixonados que vão se separar para driblar a legislação eleitoral do país.


O divórcio foi a opção porque a Lei eleitoral proibia Sandra de concorrer à presidência da Guatemala por ser esposa do atual presidente. Em 89, a oposição usou esse artigo que proíbe a candidatura de parentes próximos para barrar a tentativa da mulher do presidente Vinício Carezo de sucedê-lo.


Agora, Colom e Sandra estão legalmente divorciados. Apesar disso, a pré-candidata disse que amor dos dois “está mais forte do que nunca”, mas que o amor deles pela Guatemala é maior ainda.


O principal candidato de oposição de direita, Otto Perez Molina, derrotado na época por Colom, não está nem um pouco feliz. Ele classificou como "fraude" o pedido de divórcio. A opinião pública, segundo os veículos de comunicação do país, não aceitou bem a jogada política. Um site entrevistou 20 mil pessoas por telefone e afirma que 98% são contra a separação.


Agora, campanha iniciada, Sandra Torres pode repetir o feito de Cristina Kirchner, que em 2007 sucedeu Nestor Kirchner na presidência da Argentina. A diferença é que o casal argentino não precisou desse artifício.