segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Cada vez mais favorita

No domingo, dia 14 de agosto, 75% dos eleitores argentinos foram às urnas pela primeira vez para escolher quem são os cadidatos que concorrerão às eleições gerais de 23 de outubro. Nas chamadas prévias, podem receber votos todos os pré-candidatos aos cargos. Os que não atingem nem 1,5% dos votos são eliminados.

A atual presidente, Cristina Fernández de Kirchner, foi além. Mostrou força e conquistou mais da metade dos votos: 50,2%. Com isso, os analistas acreditam que CFK cada vez tem mais chances de vencer as eleições em primeiro turno.

Os outros dois candidatos mais votados foram Ricardo Alfonsín, filho do ex-presidente Raúl Alfonsín, ficou em segundo com 12,4% e Eduardo Duhalde, que esteve um ano na presidência antes de Néstor Kirchner, logo atrás com 12,1%.

Na eleição de outubro, para vencer em primeiro turno, Cristina Kirchner precisa ter mais de 40% dos votos e uma diferença de 10% para o segundo colocado. Depois desses resultados nas prévias, analistas políticos reafirmam a desorganização da oposição argentina, o que favorece CFK. Os grupos contra a atual presidente estão fragmentados e, dessa forma, dividem os votos dos insatisfeitos.