segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Colômbia não aceita cessar-fogo das Farc

O ministro da Defesa da Colômbia, Juan Carlos Pinzón, disse nesta segunda-feira que o governo continuará com as operações militares no país, mesmo após o cessar-fogo anunciado pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Para o ministro, é um dever constitucional do Estado “perseguir todos aqueles criminosos que cometeram crimes ao longo de tantos anos”.

Pinzón justificou a decisão dizendo que as Farc violaram “todos os tipos de códigos e normas e que atentaram contra a vida e contra a honra dos colombianos”. Na semana passada, o ministro afastou a possibilidade de uma trégua por parte das Forças Armadas do país porque, segundo ele, a iniciativa das Farc “não tem coerência”.

Iván Márquez, chefe da equipe de negociação das Farc, anunciou o cessar-fogo unilateral até o dia 20 de janeiro do ano que vem. Segundo o representante da guerrilha, essa atitude “é mais uma prova da nossa vontade de gerar um ambiente propício para o avanço das conversações”.