terça-feira, 27 de novembro de 2012

Golborne, 'herói' dos mineiros do Atacama, quer disputar a presidência do Chile com Bachelet

Nas pesquisas, Golborne tem 9% das intenções de voto
Faltando pouco menos de um ano para as eleições presidenciais no Chile, os dois principais candidatos foram definidos naturalmente. A ex-presidenta Michelle Bachelet, que passou o bastão para Sebastián Piñera com mais de 80% de aprovação, deverá enfrentar o ministro que ficou famoso pelo resgate dos 33 mineiros que estavam soterrados na mina San José, no Atacama, em agosto de 2010. O atual ministro de Obras Laurence Golborne era, na época, titular da pasta de Mineração e coordenou a operação que salvou os trabalhadores. Ninguém lembrou que, como ministro da Mineração, ele deveria zelar por mais segurança e fiscalizar a exploração para evitar acidentes como aquele.

Homem de negócios, com passagens nos mais altos cargos de diversas empresas – incluindo petrolíferas -, Golborne saiu do ostracismo para a fama em poucas semanas. Até o resgate dos mineiros, ele era o ministro mais desconhecido do governo. Com o sucesso da operação, se converteu no mais popular: a popularidade de Golborne superou, inclusive, a do presidente, alcançando 91% de aprovação.

Os dois grandes grupos políticos do Chile – a esquerdista Aliança de Partidos pela Democracia e a Coalizão Pela Mudança, que elegeu Piñera como o primeiro presidente de direita depois da ditadura militar – anunciaram que devem realizar prévias para escolher os candidatos. No entanto, não há dúvidas de que Bachelet será a representante da Aliança (Concertación). Até a oposição já crítica o anúncio de realização de primárias dizendo que a votação será óbvia.

Por outro lado, como Sebastián Piñera não pode concorrer à reeleição, o nome de Golborne é o mais visível dentro do governo. O único possível opositor é o ex-ministro da Defesa Andrés Allamand, que representa a direita da direta da Coalizão. Com a grande mobilização jovem no Chile e a dura tarefa de enfrentar a primeira presidenta eleita da América Latina, é bem provável que Piñera e seus aliados prefiram apostar em um nome renovado com o de Golborne. Em seu perfil verificado no Twitter, ele já se apresenta como "candidato presidencial". 

Pesquisa

A última pesquisa, realizada no início de outubro, mostra como o resultado da eleição é previsível. O Centro de Estudios de la Realidad Contemporánea (CERC) perguntou ao chilenos quem eles acreditam que será o próximo presidente. Bachelet foi citada por 40% dos entrevistados. Apenas 9% lembraram do “herói dos mineiros” Laurence Golborne e 4% disseram acreditar que Andrés Allamand será o próximo presidente.

Ainda de acordo com a mesma pesquisa, 38% dos entrevistados disseram que gostariam que Bachelet fosse a próxima presidenta e 55% consideram “bom” que a diretora da ONU Mulheres volte ao palácio La Moneda. Quando perguntados sobre “qual o político de maior futuro” no atual cenário, 55% citaram o nome da ex-presidenta.