sábado, 15 de dezembro de 2012

Chávez morreu e anúncio será segunda-feira, diz padre opositor


Como era de se esperar, rumores sobre a possível morte do presidente da Venezuela tomaram conta do Twitter, a rede social mais ágil e menos confiável de todas. Só que, desta vez, a versão que vem de uma fonte também nada confiável faz um pouco de sentido: o padre Jose Palmar, ferrenho opositor de Hugo Chávez, disse que o presidente morreu esta semana, mas o anúncio oficial será somente na próxima segunda-feira, dia 17 de dezembro, mesma data da morte do mártir Simón Bolívar, em 1830.

Avaliando friamente tudo o que Chávez fez em vida, não é difícil crer que uma “coincidência” dessas conste no seu testamento. Tudo o que ele faz é carregado de simbolismo e, para virar um novo mártir do socialismo moderno, não me surpreenderia que tivesse marcado o dia para morrer. O pronunciamento da semana passada, quando anunciou a volta do câncer, foi praticamente um testamento em vídeo e ao vivo para milhões de pessoas. Chávez disse como gostaria que as coisas ficassem caso ele morresse.

O padre Jose Palmar não é fonte confiável, isso é fato. Também não se referiu taxativamente à morte do presidente da Venezuela. Ele escreveu em sua conta no Twitter, em tradução literal: “me comunicam que em Havana aconteceu o inevitável, será até segunda 17 a notícia oficial. Maduro deve anunciar a verdade”. O padre é conhecido e, na rede social, tem mais de 80 mil seguidores. Na sequência, passou a postar mensagens falando sobre “noite negra” (noche oscura).

Não há como saber, antes do anúncio oficial, se a versão do padre é verdade ou não. Só podemos esperar até segunda-feira. De Havana as notícias custam a sair. Em um caso como esse, então...

Se, por acaso, Chávez realmente já está morto, é possível que nem os familiares dele saibam. O fato é que, para provar que são apenas boatos, a única forma é Chávez falar, por telefone, com o seu povo através da televisão. Isso foi feito das outras vezes que esteve internato e, segundo os boletins divulgados pelo Governo da Venezuela, ele está se recuperando e já conversou com familiares. Ou seja, teria condições de se pronunciar por telefone.